...

Precisei colocar a moderação nos comentários por causa de alguns spans que pintaram por aqui.
Você, que não é spam, faça o seu, fique a vontade.
Namastê.

Consagração do ambiente

As previsões feitas nesse blog são gerais, falam do astral do período, não são direcionadas para o indivíduo. Para fazer previsões pessoais, você precisa consultar um(a) astrólogo(a) ou numerólogo(a) e usar seu mapa astral ou numerológico de nascimento. Não estou atendendo consultas até me aposentar, estou em outro trabalho. Faço o blog porque gosto.

O som das Fadas da Noite

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Os Doze Trabalhos de Hércules - final




Os 12 Trabalhos de Hércules - final

Hércules, o mito, é reverenciado ou pelo menos conhecido no mundo todo.
Suas histórias são contadas de várias maneiras em vários lugares, em muitas épocas.
A maioria das pessoas admira, respeita e torce por esse herói.

Esse mito pode ser observado de inúmeras formas.
A psicologia o estuda como um dos arquétipos.
Alguns analisam como fonte de inspiração para evolução pessoal.
Djwall Kull, mestre tibetano, apresenta-o com uma interpretação astrológica.

As fontes literárias coerentes mais antigas sobre suas façanhas datam do século III a.C. mas fragmentos e citações de tempos mais antigos também já foram encontrados.

Hércules era filho de Zeus (o deus supremo Senhor dos deuses) com uma mortal chamada Alemena que era casada com um homem chamado Anfitrião.
Zeus seduziu Alemena transformando-se na figura de Anfitrião enquanto este estava em batalha contra o rei de Tafos em Tebas com o objetivo de vingar uma ofensa feita à família de sua esposa. Zeus queria criar Hércules para que ele fosse um grande herói e reinar na Grécia.

Quando Anfitrião voltou da guerra e descobriu o que tinha acontecido chegou a colocar Alemena em uma pira de fogo para queimá-la viva mas Zeus o impediu e o forçou a aceitar a situação.

Quando Hércules nasceu Zeus, para torná-lo imortal, pediu a Hermes que levasse Hércules até Hera enquanto ela dormia, e colocá-lo perto de seus seios para fazê-lo mamar.
Hércules mamou com tanta força que mesmo após ter terminado o leite continuou a sair e algumas de suas gotas formaram a Via Láctea ( e no planeta Terra, a flor de Lis).

Hera a esposa de Zeus ficou terrivelmente enciumada com o nascimento de Hércules e a arrogância de Zeus e enviou duas serpentes venenosas para matá-lo no berço mas Hércules havia nascido com uma força divina e matou-as.

Quando criança, ainda bebê, Hércules assustava até mesmo sua família com sua força desproporcional.
Comia por 20 homens, bebia como um guerreiro, arrancava árvores para brincar, matava leões e touros.

Hércules teve aulas de caça, arco e flecha e as artes da cura e da adivinhação com o Centauro Quíron, o professor dos centauros.
Teve também aulas de música, filosofia e outras artes com o velho filósofo Lino.
Enquanto Quíron se orgulhava de seu aluno, Lino achava Hércules apático e desajeitado, e lhe censurava muito.
Um dia, em meio às tantas críticas de Lino, Hércules num de seus acessos de fúria (provocados por Hera) jogou a cítara em sua cabeça, matando-o.

A primeira grande façanha de Hércules aconteceu quando estava indo para Beócia, uma cidade perto de Tebas, e matou um leão que estava devorando os rebanhos de Anfitrião e de Téspio. Essa caçada durou 50 dias e nesse período Hércules ficou hospedado na casa de Téspio.
Téspio aproveitou esse tempo para unir suas 50 filhas com Hércules, para gerar uma descendência de super-homens que ficaram conhecidos como Tespíadas e se espalharam pelo mundo todo.
Depois de matar o leão a notícia chegou ao rei de Tebas que ofereceu a Hércules o casamento com sua filha mais velha, Mégara.

Hera queria que seu primo Euristeu ficasse com o trono da Grécia e não Hércules, como Zeus queria.
Por isso Hera perseguiu Hércules durante muito tempo e ele tinha acessos terríveis de fúria quando era provocado por ela.
Nesses acessos, destruía e depois se arrependia.

Quando Hércules estava casado com a princesa Mégara teve com ela três filhos mas matou a todos em um dos acessos de fúria provocados por Hera.

Para pagar por seu crime Hércules aceitou a penitência imposta pelo Oráculo de Delfos oferecendo seus serviços a Euristeu durante 12 anos e este lhe deu 12 tarefas muito difíceis:

1) Matar um leão de pele invulnerável que aterrorizava a população de Neméia.
2) Matar a Hidra de Lerna, o monstro de muitas cabeças.
3) Capturar viva a corça de Cerinéia, que tinha chifres de ouro e pés de bronze.
4) Capturar vivo o javali de Erimanto.
5) Limpar os estábulos de 3000 bois do rei Áugias, de Élidas, que não eram limpos há 30 anos, em um dia.
6) Matar as aves antropófagas dos pântanos de Estinfália.
7) Capturar vivo o touro de Creta, que lançava chamas pelas narinas.
8) Capturar as éguas antropófagas de Diomedes.
9) Levar para Edmeta, a filha de Euristeu, o cinturão de Hipólita, a rainha das amazonas.
10) Levar de volta ao rei Micenas, o rebanho de gado vermelho de Gerião.
11) Recuperar as três de maçãs de ouro do jardim das Hespérides por intermédio de Atlas (o gigante que sustentava o mundo sobre os ombros, e executou esse trabalho por Hércules enquanto Hércules o substituía).
12) Apoderar-se do cão Cérbero, guardião da porta do inferno, que tinha três cabeças, cauda de dragão e pescoço de serpente.

Seriam 12 anos de servidão.

Os primeiros 6 trabalhos foram executados em Peloponeso mas os 6 seguintes levaram Hércules a viajar para lugares muito além da Grécia.

Durante os trabalhos Hércules foi implacavelmente perseguido pela fúria de Hera.
Mas a deusa Atena era uma entusiasmada defensora do herói e lhe ajudou muitas vezes.

Durante o trabalho de matar a Hidra (signo de Escorpião) Hera enviou um caranguejo gigante para morder os pés de Hércules que não aguentou de dor e pediu ajuda a seu sobrinho, Iolau. Depois de matar a Hidra Hércules embebeu suas flechas no sangue dela tornando-as venenosas e ainda mais poderosas.

Durante o trabalho de levar o cinto de Hipólita (signo de Virgem), a rainha das amazonas, para a filha de Euristeu Hércules não teria problema nenhum se não fosse a intervenção maligna de Hera.
Hipólita estava feliz e até mesmo se sentiu honrada de seu cinto ser considerado tão importante e estava esperando Hércules para lhe entregar pessoalmente e com boa vontade.
Mas Hera, vendo aquilo, espalhou entre as amazonas um boato de que Hércules estava vindo ali para levar a própria rainha embora dali e por isso se iniciou uma batalha sangrenta com muitas mortes.

Nos três últimos trabalhos Hércules é mandado para fora não apenas da cidade mas da Grécia.

As Maçãs de Ouro (signo de Gêmeos) que foram pedidas para Hércules trazer, foram um presente de casamento para Zeus e Hera, dado por Géia, a Terra.
A árvore que produzia essas maçãs era guardada pelas ninfas Hespérides e por uma serpente e crescia num jardim escondido nos confins da Terra.
Essas Maçãs simbolizavam a Imortalidade e desde esse trabalho Hércules conquistou o direito de, um dia, ir para o Olimpo.
A cada trabalho realizado Hércules conquistava algo, em vez de morrer, como queriam Hera e Euristeu.

Hércules era genioso, irritadiço, gostava de vinho, tinha muitas aventuras amorosas, as mulheres o adoravam, ele era muito leal a seus amigos e geralmente era uma pessoa bastante simpática. Teve uma vida agitada, com muitas perseguições de Hera, mas mesmo assim encontrava tempo para se divertir e amar.

Muitas vezes se envolvia em conflitos com os deuses.
Numa dessas vezes, estava consultando uma sacerdotisa do Oráculo de Delfos, e Hércules não gostou da resposta.
Então roubou o trípode sagrado dizendo que iria fazer um outro Oráculo melhor.
Apolo, deus do Sol, tentou detê-lo mas aconteceu uma violenta luta que só terminou porque Zeus, mais furioso ainda, enviou um de seus raios para separá-los.

Mas Hércules também fazia muitas coisas boas para as pessoas e para os deuses seus amigos. Livrou populações inteiras de problemas complicados, facilitando suas vidas e ajudando muito.
Um dos deuses que ajudou foi Prometeu que estava acorrentado no alto de uma montanha, tendo todo o dia um pedaço de seu fígado bicado e mastigado por um abutre, como castigo por ter entregue o conhecimento do fogo aos homens (esse conhecimento pertencia aos deuses e Zeus não queria compartilhar com a humanidade).
O castigo tinha sido imposto por Zeus.
Como Prometeu era imortal seu fígado era mastigado ao amanhecer enquanto ele gritava e padecia de dor mas durante a noite se regenerava.
E no dia seguinte o castigo continuava, indefinidamente.
Hércules conseguiu libertá-lo negociando com Zeus a troca de Prometeu pelo Centauro Quíron, que precisava morrer e também era imortal (isso já é outra história).
Zeus então libertou Prometeu e permitiu que Quíron morresse, resolvendo o problema dos dois, graças a intervenção de Hércules.

A fama de Hércules se espalhou entre os homens e entre os deuses.
Mas o final de Hércules foi dramático, como foi toda sua vida.

Entre as muitas façanhas de Hércules os antigos também atribuíam a ele ter separado os montes Calpe (Espanha) e Àbilia (África), abrindo o estreito de Gibraltar.
Depois de fazer isso Hércules disputou com Aqueles, a posse de Dejanira, filha de Eneu, rei da Etólia.
Dejanira preferiu Hércules então Aqueleu, furioso transformou-se em serpente e depois em touro, mas não conseguiu matar Hércules, que se casou com Dejanira.

Logo após o casamento Hércules partiu com Dejanira para sua terra, Tebas.
Durante o caminho teriam que atravessar o rio Eveno que estava transbordando por causa das cheias.
Então Hércules pediu ao centauro Nesso que carregasse Dejanira, enquanto ele atravessava a nado.
Nesso aceitou prontamente.
Mas no meio do caminho lembrou de uma ofensa de Hércules e, também apaixonado por Dejanira, tentou raptá-la, saindo do rio e galopando para outro lado.
Hércules, muito rápido, acertou Nesso com uma de suas flechas envenenadas.

Nesso tombou numa poça de sangue.
Mas antes de morrer, e antes que Hércules chegasse, Lino se fingiu de arrependido e sussurrou para Dejanira: “guarde um pouco de meu sangue molhe sua túnica nele e, se algum dia Hércules se cansar de você e passar a olhar para outras mulheres, faça seu marido vesti-la, e ele só verá você, não olhará para mais ninguém”.
Dejanira, sem saber, obedeceu.

Passaram muitos anos.
Um dia Hércules estava voltando de mais uma aventura onde tinha libertado uma princesa muito linda que tinha sido raptada, a princesa Iole.
Hércules se apaixonou por ela e decidiu se casar com ela também.
Dejanira lembrando das palavras do centauro Nesso, ofereceu a Hércules a sua túnica, como presente de casamento, esperando que Hércules desistisse e ficasse somente com ela.
Quando Hércules vestiu a túnica sentiu seu corpo queimando e, desesperado de tantas dores, tentava arrancar a roupa mas ela tinha grudado no seu corpo e saía aos pedaços, junto com sua carne.
Esse efeito foi provocado pelo veneno da Hidra de Lerna, que estava no sangue do centauro alvejado pela flecha.
Além disso era um sangue mortal, que Hércules não poderia vestir, enquanto Dejanira acreditava ser um filtro de amor.

Hércules, desesperado e gritando de dor, pediu ajuda a seu filho mais velho, Hilo, que o ajudou a chegar até uma pira e acender o fogo, onde Hércules se atirou para morrer mais rápido.
Quando a primeira labareda começou a subir, Zeus mandou seus raios e trovões, cegando momentaneamente as pessoas e levando seu filho junto de si para o Olimpo.

Lá, mais sereno, na companhia dos deuses, Hércules se reconciliou com Hera e se casou com Hebe, a deusa da juventude.

A história dos Doze Trabalhos de Hércules que acompanhamos aqui fala das etapas de experiência da Alma,e está associada aos 12 signos, na ordem dos signos, diferente da ordem dos trabalhos.

Primeiro, sua evolução na matéria.
Segundo, sua fase de lutas e esforços quando sua consciência não quer mais seguir o coletivo.
Terceiro, as fases de sua realização própria.

Nesse caminho (o caminho dos signos) a Alma repete experiências que ficaram incompletas.
Também acontece de em suas repetições, a Alma refaz algumas fases (signos) e, nesse caso, vive as experiências em níveis de mais dificuldade e complexidade.

Astrologicamente, as fases de preparação são: Áries, Touro, Gêmeos e Câncer.
As de luta: Leão, Virgem, Libra e Escorpião.
As de realização: Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes.

Nesse mito, os signos simbolizam as etapas do aperfeiçoamento:
De Áries a Câncer, mais individual.
De Leão a Escorpião, ainda individual mas percebendo mais o outro.
De Sagitário a Peixes com a consciência centrada em si novamente, mas não dependendo mais do outro para aprovação, ou para seguir seu próprio caminho.

Conforme Hércules vai utilizando mais sua própria natureza se familiarizando com a energia da Alma, vai se libertando de ilusões, vaidades, apegos e inseguranças.

Seu caminho, avançando pela roda dos signos,não quer dizer que um signo é mais ou menos evoluído que o outro pois a roda gira sempre desde o início novamente, mas cada vez em um nível mais alto.

A cada reinício não é necessário repetir as lições que já foram assimiladas mas as experiências daquele signo se tornam mais difíceis.

Quem está num alto nível de evolução se utiliza de maneira consciente da energia dos signos e das situações facilitadas por eles.

Talvez chegue algum dia em que não se façam mais horóscopos de personalidade, destino ou previsões, não estudando mais os potenciais, condicionamentos ou dificuldades pessoais de influência dos signos, mas o relacionamento inteligente da Alma com as energias zodiacais.

Isso é um pouco difícil porque é muito raro encontrar algum astrólogo preparado para esse trabalho.
Primeiro é necessário que haja pessoas preparadas para assimilar uma análise dessa complexidade porque esses astrólogos virão conforme as necessidades do planeta.
Talvez astrólogos preparados para isso venham a aparecer daqui a algum tempo.
E o preparo não se refere apenas às condições técnicas, que são muito importantes, mas à capacidade de unir a técnica com a intuição.
Um exemplo seria Edgar Cayce, um pisciano que conhecia as técnicas astrológicas mas que desenhava os mapas sem fazer cálculos e com poucos dados das pessoas, todos os mapas corretos, fazendo interpretações e previsões fantásticas.
Se você tiver curiosidade pesquise a obra desse astrólogo tão incomum.

Em algum momento da história, ao ser preparado para os 12 Trabalhos Hércules dialoga com seu Instrutor (seu Guia Interior, que todos nós temos) e ainda não compreende o que é a Alma, e de onde vem esse Instrutor.
O Instrutor lhe tranquiliza dizendo que vai descobrir sua própria Alma conforme vai realizando as tarefas mas que, para isso, deve usar sua própria natureza e não outro instrumento.

O objetivo primeiro dessa série é mostrar a quem ainda não sabe disso que todos nós temos os 12 signos para desenvolver.
Nosso mapa astral é uma mandala com todos os signos.
Alguns terão mais força do que os outros.
Principalmente os signos do nosso aniversário (o signo do Sol), o signo do nosso Ascendente, e o signo da nossa Lua.
Depois, em ordem de importância, os signos que tiverem planetas pessoais, os signos que tiverem planetas em ângulos importantes e por fim os signos que tiverem planetas.
Os signos que não têm planetas em nosso mapa astral também são importantes porque eles corresponderão a uma das Casas astrais.
As Casas representam assuntos importantes do cotidiano ou do abstrato de nossa vida.

Se eu não tiver nenhum planeta em Áries, Câncer, ou outro signo, e esse estiver na minha Casa da Saúde.. você acha que então a saúde não seria importante em minha vida?
E se estiverem na casa do dinheiro? Será que sobrevivemos nesse planeta sem dinheiro? Podemos não ter planetas nas casas do Casamento, dos Filhos, da Espiritualidade, do Destino, da Profissão, etc. mas precisaremos desenvolver essas energias para viver os assuntos dessa Casa.

Por isso é bom conhecer nosso mapa astral com todas as suas potencialidades e fraquezas.
É melhor ainda, depois disso, verificar as previsões, para situar o momento que estamos vivendo, quais energias estão sendo desafiadas para nosso crescimento, etc.
Não devemos nos apegar em uma única energia Zodiacal pois todas as pessoas vivem e precisam de todas elas.
O que varia é a intensidade e o nível de consciência.

A cada mês que o Sol ilumina um signo é muito útil refletir sobre o nosso nível naquela energia e buscar aperfeiçoamento.
Seja através da meditação dos signos, da reflexão nos 12 Trabalhos de Hércules, na reflexão a respeito das qualidades e fraquezas do signo, são ferramentas de evolução pessoal que a Astrologia nos fornece.

Se vivermos cada uma dessas histórias conscientemente,
fazendo ao Instrutor que está sempre disponível no centro da nossa consciência,
todas as perguntas necessárias,
e se, no decorrer delas,
não desperdiçarmos energias em chorar ou rememorar fatos passados,
experimentaremos grandes transformações em nós mesmos”
(Trigueirinho).

Namastê.


Nenhum comentário: